O bom aluno

Passos Coelho não quis assinar a carta dos 12 primeiros-ministros, que noutras circunstâncias seria a sua sinfonia preferida: o documento (que conta com a rúbrica dos nossos vizinhos sulistas e latinos que também têm a corda no pescoço) pede mais apoios para a pequena iniciativa privada, menos regulação e mais tempo para os países pouco pujantes possam encarreirar e crescer sustentadamente. Mas o fito pátrio é outro: o governo quer que Portugal seja visto pela professora alemã como o “bom aluno” empenhado. Não interessa se o aluno vai aprender o abêcê só na quarta classe, o importante é causar piedade. Também não importa que esta seja apenas uma professora temporária, a que se seguirão outros mais ou menos escrupulosos, com ideias – estas ou outras – mais ou menos fixas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s